23 de outubro de 2014

CONTAS DE CELULAR FICARÃO 5% MAIS CARAS APÓS AS ELEIÇÕES

Clientes dos planos pós-pagos das operadoras de celular terão que pagar pelo menos mais 5% pelos minutos de ligação a partir do 1º dia de novembro, logo após o segundo turno das eleições.

O reajuste do minuto das ligações de celular pós-pago está sendo avisado por SMS sem detalhar o percentual de aumento.
O índice foi confirmado apenas após insistência da reportagem, mesmo assim só por uma das empresas, a Vivo. As outras operadoras citaram apenas o valor reajustado. “A Telefônica Vivo informa que, a partir de 1º de novembro, a mensalidade dos planos pós-pagos pessoa física terão reajuste de até 5,05%”.
“O percentual corresponde ao IGP-DI de julho de 2013 até o mesmo mês deste ano e está dentro do teto determinado pela Anatel”, explicou o comunicado.
Cliente da Vivo, Márcio Souza, 52 anos, recebeu a mensagem e contou ter ficado indignado. O empresário paga R$ 50 por mês por plano com internet e voz, mas prioriza os dados para economizar. “Estou pensando em sair da operadora”, disse.
A agência reguladora Anatel informou que só aprova os aumentos da telefonia fixa. Já os índices de reajuste para a telefonia móvel são escolhidos pelas próprias operadoras, num prazo não inferior a 12 meses, e que devem constar em contrato.
Além da Vivo, a Claro comunicou que já reajustou suas tarifas, mas não revelou de quanto foi o índice após indagação do jornal. “A Claro segue a prática do mercado em reajustar o valor dos planos uma vez por ano. Recentemente, a operadora reajustou em R$ 2 todos os planos Controle, oferecendo também um aumento na franquia de dados para a maior utilização do serviço”, informou por nota, acrescentando que apesar de a alteração ser feita com base no IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado) acumulado dos últimos 12 meses (3,54%), a operadora não aplicara o valor máximo.
Já a operadora Oi não informou se aumentou ou se vai reajustar suas tarifas de telefonia móvel.
A correção das tarifas de celular está sendo informada por meio de mensagens enviadas aos aparelhos dos clientes, sem informar, no entanto, o índice. Donos de linhas móveis da TIM estão recebendo, por exemplo, os torpedos, segundo os quais “a partir de 11 de novembro, a tarifa de ligações locais dos planos Infinity de TIM para celulares de outras operadoras, passará para R$1,70 por minuto”.
Por meio de nota, a TIM informou que, já a partir de sábado, as ligações para números fixos dos planos Infinity e Liberty Controle custarão R$ 0,70 por chamada. “Com o compromisso com a transparência, a operadora comunicou com antecedência a mudança aos usuários, através de mensagens de texto”, concluiu a nota.
Minuto é o 4º mais barato do mundo
Mesmo com os aumentos, o minuto do celular no Brasil ainda é o quarto mais barato do mundo, R$ 0,17, ficando atrás apenas da China, Índia e Rússia, de acordo com o estudo Desempenho Comparado de Preços do Celular, da consultoria Teleco. O levantamento considera grupo de 18 países que concentram as maiores densidades de telefones móveis em relação ao número de habitantes.
A pesquisa mostra que os tributos têm peso significativo nos preços da telefonia móvel no Brasil. De acordo com o levantamento, o país possui a maior carga tributária entre as 18 nações pesquisadas. Os tributos representam 43% da receita líquida, quase o dobro do segundo colocado, que é a Argentina (26%) e 14 vezes maior que os da China (3%).
O desempenho comparado considera outros 17 países além do Brasil, que juntos formam 55% da população mundial. Foram levados em conta preços de celulares pré-pagos, que no país são 77% do total de 276 milhões.
Além do estudo comparativo, também serão divulgados periodicamente pela Febratel e Telebrasil os desempenhos comparados dos preços de telefonia fixa e de banda larga fixa e móvel.
Extraído: S.O.S Consumidor/Notícias - Fonte: IG Notícias

Nenhum comentário:

PUBLICAÇÕES MAIS ACESSADAS

CONSULTORIA E ASSESSORIA JURÍDICA PERSONALIZADA

SERVIÇOS & CONSULTAS

PROCONS ESTADUAIS

AGÊNCIAS REGULADORAS



DEFESA DO CONSUMIDOR

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL